O dilema dos editais de arte e sua teia burocrática na economia criativa

O dilema dos editais de arte e sua teia burocrática na economia criativa

Ah, como é complexo este caminho que nós escolhemos trilhar para produzir nossa arte. Entre a paixão e a sobrevivência, vivendo em um país onde líderes “pregam” contra a arte e a cultura, encontramos nos editais um possível financiamento e reconhecimento. No entanto, o que parece ser uma trilha iluminada, muitas vezes se transforma em um labirinto de desafios, impondo “paradoxos” que dilaceram a alma criativa. Os editais devem ser parte do investimento feito em economia criativa, mas não o único.

Num primeiro momento, os editais parecem ser como pontes que conectam artistas/produtores culturais e recursos, prometendo viabilizar projetos que, de outra forma, minguariam, o famoso investimento estatal em “economia criativa”. Contudo, ao atravessarmos essas pontes, percebemos que cada passo dado implica um pacto com a burocracia e, por vezes, com a desumanização do processo criativo.

Continue lendo o artigo no O LONDRINENSE- aproveite para ver outros artigos da coluna economia https://olondrinense.com.br/economia-criativa/o-dilema-dos-dos-editais-de-arte/

Related Posts

COMMENTS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *